Catadores recolhem mais de 90 toneladas de resíduos durante o carnaval

24

O apoio do governo foi decisivo para o resgate da cidadania dos trabalhadores, com a valorização da atividade profissional e a implantação de uma infraestrutura digna de trabalho, garantindo sustentabilidade econômica a uma atividade antes marginalizada

DSC_3461Profissionais que exercem um trabalho de grande relevância social e ambiental, os catadores de material reciclável, recolheram mais de 90 toneladas de resíduos sólidos descartados irregularmente durante os dias de carnaval. O trabalho desses profissionais recebeu especial atenção do Governo do Estado, que por meio das secretarias de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (Justiça Social) e do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) investiu R$ 1,1 milhão no apoio aos projetos Ecofolia Solidária – O Trabalho Decente Preserva o Meio Ambiente e Cata Bahia.

Os cooperados do Eco Folia Solidária, projeto do Complexo Cooperativo de Reciclagem da Bahia, recolheram cerca de 73 toneladas de resíduos, a maioria alumínio, com pouco mais de 55.700 kg de latinhas coletadas; seguida por garrafas pet (11.790 kg); plásticos (5424 kg) e óleo vegetal (75kg). Já a Rede Cata Bahia recolheu uma média de 2300 kg de alumínio durante 7 dias do carnaval de Salvador e 2300 kg do mesmo material durante quatro dias do carnaval de Juazeiro.

O apoio foi decisivo para o resgate da cidadania dos trabalhadores, com a valorização da atividade profissional e a implantação de uma infraestrutura digna de trabalho, garantindo sustentabilidade econômica a uma atividade antes marginalizada. Para atendimento aos catadores, e pesagem e armazenamento do material coletado, foram montadas sete centrais de atendimento: no Politeama, Montanha, Dois de Julho, Barra, Ondina, Pelourinho e Nordeste de Amaralina.

A ação beneficiou mais de 1500 catadores de resíduos sólidos. Foram distribuídos kits compostos por bota, meia, luva, camisa e calça. Também foi fornecida alimentação, com três refeições diárias durante os sete dias de festa, além da oferta de água nos sete postos de coleta. Tanto o fardamento quanto a alimentação são produzidos por empreendimentos da economia solidária ligados às redes de costura e alimentação que funcionam nos bairros de Engenho Velho da Federação, Uruguai, Gamboa e Engomadeira e possem cerda de 120 cooperados, a maioria (90%) mulheres. A estratégia contribui para o fortalecimento da sustentabilidade econômica e articulação política desses empreendimentos, gerando renda e trabalho nas comunidades em que estão inseridos.

Crédito – O Governo do Estado, por meio da Setre e da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), disponibilizou ainda uma linha de financiamento especial a três cooperativas de catadores e uma de alimentação, num total de R$ 110 mil, por meio dos programas CrediBahia e CrediSol. Com a oferta do microcrédito, o Governo do Estado valoriza o trabalho dos catadores, que durante o carnaval tem as suas chances de lucro abreviadas, já que nesse período existe uma demanda maior que a procura, o que reduz o valor dos resíduos sólidos. Com o empréstimo, é possível comprar o material coletado pelos catadores avulsos; estocar e só vender após o período da festa, quando o valor das latinhas e das garrafas pet aumenta.

*Por ASCOM SJDHDS 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA