‘Poderia ter sido eu’, diz Anitta sobre mortes em Paraisópolis

Artista criticou abordagem feita pelos policiais na ação que deixou nove mortos na favela de São Paulo: "E se eles tivessem entrado num festival respeitado?"

49

Avessa ao posicionamento político nas redes sociais, Anitta abriu uma brecha em seu perfil para comentar a tragédia de Paraisópolis, que deixou nove mortos em São Paulo no último domingo, 01.

Em uma série de vídeos, a funkeira lamentou a ação da Polícia Militar no Baile da 17, que acontece desde o início dos anos 2000 na região. “Se fosse há uns anos, poderia ter sido eu, minha mãe e meu irmão. Uma das coisas que a gente mais fazia quando eu estava começando era cantar em baile de favela”, disse a artista.

A cantora rebateu o argumento dado pela polícia para invadir o baile, de que estaria perseguindo bandidos, questionando se a abordagem era a mesma em grandes festivais de música que acontecem ao redor do país.

“Ah, mas os bandidos estavam em perseguição e correram pra festa… E se eles tivessem entrado num festival respeitado? Iam sair entrando atirando? Vários festivais respeitados têm drogas. Vão sair entrando, atirando? Pra muitas pessoas, é vagabundo, é música de baixo conteúdo, gente que não tem o que fazer. Complicado. Preconceito”.

No vídeo, a funkeira ainda elogiou a profissão militar ao falar sobre o irmão recém descoberto, mas pediu vista grossa do governo em casos como esse.

“Tenho um irmão militar, hoje em dia. Tenho orgulho da disciplina dele, do caráter, do trabalho. A finalidade é fazer nossa segurança. Tenho amigos policiais. Mas acho que isso é uma coisa do governo mesmo, sabe? Se as pessoas não têm condições de curtir entretenimento em outros lugares, de outra maneira, é porque eles não têm acesso a outras coisas, gente”.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA